2

Nova reação de manada no horizonte

Por Luiz Carlos Mendonça de Barros

Um dos analistas das coisas da economia americana que mais respeito surpreendeu-me ao mudar recentemente sua posição em relação às próximas ações do Fed [o banco central americano]. Para ele, o Fed vai declarar o início do processo de redução dos estímulos monetários em sua próxima reunião, em setembro próximo. Até agora defendia que o Fomc - braço operacional da política monetária nos Estados Unidos - deveria esperar um pouco mais para tomar essa decisão. Seu argumento principal, na defesa da continuidade do chamado QE, é que o ajuste fiscal em andamento na terra do Tio Sam tem mantido o crescimento da economia bem abaixo do seu potencial. Reforçava essa sua posição o fato de que a inflação na maior economia do mundo está correndo abaixo da marca de referência para o Fed, que é de 2% ao ano.