• Blog 29/05/2013 às 16h08 1

    A decisão mais difícil da história do Copom

    É bem provável que a reunião de hoje do Comitê de Política Monetária (Copom) seja a mais difícil dos seus 14 anos de história. Nos últimos 45 dias, a diretoria do Banco Central (BC) preparou o mercado para acelerar o ritmo de aperto monetário nesta quarta-feira. O problema é que, ao contrário do que o próprio BC esperava, a economia brasileira mostrou fraqueza no primeiro trimestre.
  • Blog 25/04/2013 às 07h53 0

    Ata do Copom deve falar em pressão de demanda

    Na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que divulgará daqui a pouco, o Banco Central (BC) deve fazer referência à pressão de demanda como um dos componentes da inflação medida pelo IPCA, que em março superou o teto (6,5%) do regime de metas. O BC deve admitir que a demanda agregada está aquecida e que é isso que vem tornando o processo inflacionário persistente e difuso.
  • Blog 19/12/2012 às 19h40 1

    Depreciação do câmbio impulsionou inflação de alimentos

    A perda de valor do real frente ao dólar ao longo deste ano elevou a inflação de alimentos. Segundo cálculos da equipe de economistas do banco Credit Suisse, liderada por Nilson Teixeira, parte do aumento da inflação de alimentos no terceiro trimestre decorreu das elevações de preços de produtos sensíveis às oscilações dos preços de commodities agrícolas (por exemplo: carnes e derivados de grãos).
  • Blog 30/08/2012 às 17h44 0

    Choques pressionam inflação brasileira

    Mesmo crescendo pouco, o Brasil está sofrendo uma combinação de choques que podem pressionar a inflação nos próximos meses. O economista Tony Volpon, da Nomura Securities, menciona a conjunção de três fatores preocupantes nessa área.
  • Blog 23/08/2012 às 09h19 1

    Inflação não mudará estratégia do BC para câmbio

    A intervenção do Banco Central (BC) no mercado de câmbio, depois de 35 pregões de ausência, como bem reportaram ontem os repórteres Eduardo Campos e José de Castro no Valor, consagra a percepção de que o regime de câmbio flutuante, pelo menos por ora, deixou de existir. Com a atuação de terça-feira, o BC avisou que não pretende deixar a cotação do dólar americano cair abaixo de R$ 2,00, assim como já deu a entender que não aceitará que vá acima de R$ 2,10.
  • Blog 16/08/2012 às 19h00 5

    O pragmatismo de Dilma

    Primeiro, foi o aumento do superávit primário das contas públicas. Depois, veio o fim da aposentadoria integral do funcionalismo. Em seguida, a privatização dos três maiores aeroportos do país e a mudança da forma de correção da caderneta de poupança. No momento seguinte, a desoneração da folha de pessoal de 15 setores da economia. Mais recentemente, o enfrentamento dos servidores públicos, cujos salários não são reajustados há dois anos. Agora, um amplo programa de concessão de rodovias e ferrovias ao setor privado.